franco

Deputados a favor da reforma da Previdência também disseram sim a propostas polêmicas do Governo Temer

Os parlamentares favoráveis à reforma da Previdência também disseram “sim” a outras propostas igualmente polêmicas que tramitaram na Câmara dos Deputados nos últimos anos, como a reforma trabalhista e a terceirização. É o que aponta novo levantamento realizado pela Assessoria Parlamentar do Sindilegis neste mês, correspondente ao período de 2016 até agora.

A pesquisa indica que as principais propostas do Governo Temer contra a população brasileira foram aprovadas com o apoio dos 35 parlamentares que pretendem votar a favor da reforma (confira a intenção de votos de cada deputado no site http://sevotarnaovolta.com.br/).

Dos 35 deputados que querem aprovar a reforma da Previdência neste ano, 34 disseram “sim” à reforma trabalhista, aprovada no ano passado. O deputado Roberto Freire (PPS-SP) se absteve nessa votação. Desde o início de sua tramitação, o Sindilegis se posicionou contrário à reforma proposta pelo Governo.

Para o Sindicato, ela pode causar prejuízos não somente aos trabalhadores da iniciativa privada, mas também aos servidores, tendo em vista que a CLT é referência para o serviço público em assuntos ainda não regulamentados pelo Congresso Nacional, como o direito à greve e à negociação coletiva.

Terceirização

Comparando os votos dos 35 deputados a favor da reforma, 28 parlamentares aprovaram o texto da terceirização na Câmara dos Deputados, que amplia as possibilidades de contratação de serviço terceirizado, que poderá ser feita tanto na área meio quanto na atividade fim.

Para o Sindicato, a lei coloca em risco o direito e a segurança dos trabalhadores. Para o Sindicato, a lei abre brechas para terceirização no setor público e pode diminuir concursos, além de levar à precarização dos direitos trabalhistas.

 

Fonte original: http://www.sindilegis.org.br/noticias/deputados-a-favor-da-reforma-da-previdencia-tambem-disseram-sim-a-propostas-polemicas-do-governo-temer/1824

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *